->
CIDADES
INTERNACIONAL
domingo, 6 de janeiro de 2019
RIOVERDEMS | Por PORTAL RIOVERDE NOTICIAS

Vizinhos se unem no Whatsapp para garantir segurança


Aqui não, ladrão! Cansados de conviver com a violência, moradores de vários bairros pelo Brasil, estão se organizando através de grupos do Whatsapp para tentar garantir mais segurança à população. A iniciativa aconteceu depois de vários assaltos em bairros, até então eram conhecidos pela tranquilidade.

O combinado é que cada integrante vigia o quarteirão em que mora, troca informações sobre ocorrências no local e, dependendo do caso, chama a polícia. O aplicativo tem servido também para cobrar das prefeituras regionais melhorias como poda de árvores e aumento de iluminação pública.

Moradores dos bairros Santa Felicidade e Uberaba, em Curitiba, criaram o grupo “SOS Santa Felicidade”, mas o coordenador precisou estabelecer algumas regras para que correntes de redes sociais e mensagens de “bom dia” não prejudicassem a transmissão de pedidos de socorro ou de alertas. “Somente informações relacionadas à segurança do bairro podem ser divulgadas ali. Assim, quando chega uma mensagem no grupo, o pessoal já sabe que é algo importante e dá atenção ao que está escrito ali”, explica o estudante de Direito e responsável pelo grupo, Bruno Lucca, 26.

Em São Paulo, um dos grupos mais ativos é o da Rua Aureliano Leal, na Água Fria, na Zona Norte, com 36 participantes. Desde o seu lançamento, em setembro, a via não registrou nenhum assalto. Furtos de veículos e roubos no comércio também diminuíram nas imediações. Antes, eram cinquenta casos por mês.

Hoje, são quatro, em média. Empenhados, os integrantes penduraram uma faixa que comunica que a rua é monitorada pela Vizinhança Solidária (um programa da Polícia Militar que visa a auxiliar os moradores a se unir para prevenir crimes) e montaram um sistema de apitos para quem não tem smartphone.

“Se alguém vê uma movimentação em seu quintal, por exemplo, deve apitar para chamar a atenção da casa ao lado”, afirma a professora Jocí Bittencourt, 54 anos, que vive ali há 51.

Segundo os moradores, as informações repassadas pelos grupos ajudaram a identificar pessoas com atitudes suspeitas para que os vizinhos pudessem tomar cuidado, aumentando a sensação de segurança.

O recurso ajuda, mas não faz milagre, evidentemente. Na Vila São Francisco, também em São Paulo, a maior sensação de segurança não se refletiu ainda na queda dos índices de criminalidade do bairro como um todo. A ocorrência de furtos e roubos no lugar aumentou 6% em janeiro, em comparação ao mesmo período de 2016, segundo dados do governo estadual.

Outra medida adotada por conta própria foi a instalação de câmeras e iluminação. “Como não podemos fazer isso na via pública, colocamos os equipamentos em nossos quintais, mas virados para a rua”, explica. Casos como o dos habitantes da Vila São Francisco estão cada vez mais comuns.
Esses grupos começaram a surgir cerca de três anos atrás, e houve um aumento expressivo em 2016. Nos últimos seis meses, estima-se que tenham sido criadas em toda a cidade ao menos trinta comunidades do gênero, segundo representantes dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs).
domingo, 6 de janeiro de 2019

LOJA QUEIMA TOTAL


http://picasion.com/

MERCEARIA NOVA CANAÃ

http://www.rioverdems.com/

RioverdeRV

twitter @rioverderv

BARRACA DO PINHEIRO



http://picasion.com/

MERCEARIA TUNTUN

http://picasion.com/